Yoga pose PC.png

urbanista

a vida como ela é

Tea time?...

Tea time?...

Para além desta luta constante contra os vários tipos de preconceito e contribuir para nos olharmos ao espelho gostando um bocadinho mais de nós, uma das premissas do urbanista é a de apoiar novos negócios, especialmente os nacionais e, mais ainda, se contribuirem para a mudança. Se a isso aliarmos o facto de se basearem em produtos naturais, ainda melhor.

IMG_3504.JPG

É o caso da Queen Catarina Tea, da empresa Natural Concepts, uma spin-off da Universidade do Minho que cria produtos 100% naturais baseados em plantas aromáticas e medicinais, nomeadamente, as infusões (para perceberem a diferença entre chá e infusão, consultem este artigo)  criadas com base em quatro fragrâncias: oriental, floral, amadeirado e fresco.

A marca enviou-me uma caixa de uma edição limitada do Chá da rainha (Queen Catarina’s Tea) que corresponde a uma mistura do chá Puh-erh com o sabor da laranja nacional e o aroma da canela e que vos transportará para o universo enigmático do chá que os Portugueses apresentaram ao mundo. Isso e a compota de laranja, a very british marmelade que D. Catarina de Bragança levou para o Reino Unido, juntamente com o seu hábito de beber chá.

IMG_2796.JPG

É seguramente, a altura ideal para sentar e degustar uma caneca de chá enquanto esticamos as pernas no sofá, tapados com uma manta quente para uma maratona de séries na televisão, ouvir os podcasts urbanista ou, simplesmente, ler um livro. Sobre livros está para breve mais um podcast e posso contar-vos já que a minha escolha mais recente é esta e fala sobre a importância do silêncio na nossa vida…

 

Estará a cidade a matar-nos?

Estará a cidade a matar-nos?

Pior cego é o que não quer ver

Pior cego é o que não quer ver

0