Paula_C.jpg

olá.

bem vindos ao urbanista, um magazine de estilo e tendências urbanas.

no SAPO24: Este dia é das mulheres. Não serão, todos os dias, dias das mulheres?

no SAPO24: Este dia é das mulheres. Não serão, todos os dias, dias das mulheres?

Este dia, esta semana, é das mulheres. Não serão, todos os dias, dias das mulheres?

Um pouco por todo o mundo celebra-se um dia que deveria ser todos os dias e, dessa forma, dispensaria um dia especial. Acredito que o empoderamento feminino tem de acontecer diariamente e que a discussão em torno do eterno feminino se deve fazer, também, todos os dias, com medidas e acções que, efectivamente, tenham consequências positivas para os direitos, liberdades e garantias da mulher sem, contudo, desprezar as do homem. Não faltam debates e discussões, mas ainda faltam soluções.

Espera-se que o 2018 seja um ano de mudança no que toca ao ativismo feminino. Espera-se que, depois de 2018, as mulheres deixem de sentir medo e que a igualdade, em termos de segurança, poder e remuneração salarial, se torne uma realidade. 

É também esperado que este seja o ano em que se põe, finalmente, fim ao sexismo e ao assédio sexual. Não sei se já perceberam mas o capítulo sobre estas conquistas, resultado da união das mulheres em torno de uma causa maior, está a ser escrito e cabe-nos a nós - todas - ajudar a escrevê-lo. Contudo, não o podemos fazer sozinhas. Os homens podem - e devem - ser chamados à discussão. Mesmo os machistas, para perceberem que estão cada vez mais isolados na sua acção.

Boa parte da discussão pública sobre esta questão faz-se numa separação entre homens e mulheres quando, na verdade, me parece que o que precisamos é de maior união e reconhecimento das diferenças que podem - devem - ser complementares. 

Juntos - juntas - seremos mais fortes e a integração do outro tem de começar exactamente por nós, mulheres, que tantas vezes fomos colocadas de parte em função disso mesmo: a diferença dos papéis de género. Não adianta discutir diferenças fisicas e biológicas porque, simplesmente, existem. Precedem, inclusivamente, toda esta discussão de carácter socio-cultural. Importa discutir os pequenos problemas que afectam todos os dias as mulheres, porque é nestes aspectos que reside parte da solução: ao ignorarmos onde se fundam as grandes questões não estamos, em nada, a contribuir para a sua solução porque se trata de uma maquilhagem do problema. Não vamos conseguir mudar o paradigma numa geração sem educar os nossos filhos e filhas para um mundo diferente, fundado numa lógica de aceitação e respeito pela diferença, de entre-ajuda e alteração da lógica inerente aos principais papeis sociais. Também estes precisam actualizados…

Podemos criar quotas na Assembleia da República ou obrigar as grandes empresas a integrar mais mulheres nos seus quadros de administração. Pouco mudará se não mudarmos a mentalidade que ainda baseia a estrutura social na mãe e mulher-que-é-também-profissional. Os nossos irmãos, maridos e amigos foram educados numa cultura machista e actuam, diariamente, em conformidade. Sem que disso se apercebam. Nós também, sempre que dizemos, deixa estar eu faço ou quando reproduzimos, em casa, o velho paradigma… 

Quando duas pessoas decidem viver em comunhão, enquanto casal, estão a decidir partilhar a sua vida. Essa vida inclui almoços e jantares, roupa interior que deve ser lavada e pendurada no estendal, lixo carregado escadas abaixo, filhos com fraldas, outros que adormecem ao colo, TPC e reuniões de pais. Inclui também um plano alimentar definido e listas de compras no supermercado, bem como a planificação das tarefas de limpeza e arrumação da casa. Um frete, portanto, já que nem todas as mulheres de carreira podem suportar os custos de alguém que toma conta da casa. 

É, normalmente, a mulher que assume a liderança da economia doméstica. Em 90% dos casos, a culpa também é sua, pelo tom paternalista que usar quando o acusa d não saber fazer as coisas. E, então, ele não faz. Perdemos todos porque continuamos desnecessariamente sobrecarregadas e o mundo não muda porque mantemos a ideia de que assim é que está bem. Não está. O tempo que ocupamos com acumulação de tarefas domésticas é tempo que eles ganham para progredirem nas carreiras. 

Então e a nossa carreira?

Este texto inclui um podcast que podem ouvir aqui

 


Photo by Ahmed Carter on Unsplash

no Sapo24: Pior cego é o que não quer ver

no Sapo24: Pior cego é o que não quer ver

no SAPO24: o sorriso de um filho não tem preço

no SAPO24: o sorriso de um filho não tem preço