olá.

bem vindos ao urbanista, um magazine de estilo que assume opiniões sobre temas da vida.

As coisas que nos dizem

As coisas que nos dizem

Eles (alguns) avançam com os comentários sobre feminismo e feministas e mulheres de pelo na venta, como se diz em Portugal.  Elas defendem-se chamando-lhes à atenção, apelando ao bom senso e perdendo a razão quando os apelidam de inergúmenos. De facto, pode até parecer que não há razão para drama, pode até parecer que a Jodie Fox está a ser uma drama queen. Não está. Primeiro ponto do desconforto, a reunião ter tido lugar num bar. Cedeu e deu-lhe (aparentemente) permissão para a julgar. Desculpem. Cumprimentar...

Para quem não acompanhou o vídeo em Inglês, explico:  A Jodie Fox aceitou reunir-se com um potencial investidor num bar. A primeira coisa que este lhe disse à chegada foi que ela estava espantosa, olhando-a de cima abaixo. A Jodie tem por hábito partilhar aquilo que acontece às mulheres em contexto profissional, admitindo que estes comentários aparentemente inofensivos contribuem para limitar as oportunidades profissionais para as mulheres. E, por isso, perguntou à internet: é aceitável este comentário, assim, do nada, ou estará a Jodie a exagerar?

Não serão poucas as vezes que mulheres aceitam situações, observações ou comentários que as deixam desconfortáveis porque:

 - acham que estão a ser exageradas

- dizem-lhes que "não se lhes pode dizer nada"

- argumentam que foi apenas "um comentário sem maldade"

Na verdade, comentários aparentemente "sem maldade" são pouco profissionais . Muitas mulheres aceitam-nos também porque:

- o sexismo existe e está presente em comentários e atitudes em contexto laboral

- a culpa é sempre da mulher por usar maquilhagem e roupas bonitas ou por ter um aspecto, digamos, agradável

O respeito profissional não pode estar associado ao que vestimos. Da mesma forma que para muitas mulheres a questão coloca-se ao nível do tipo de roupa que vestem, para muitos homens também. Em determinados contextos, qualquer coisa que não corresponda ao paradigma do fato e da gravata é olhado de lado, como se jeans e t-shirt correspondessem, de imediato, a falta de profissionalismo.

Como um homem comentou, este é um bom exemplo sobre o ponto de partida de muitos homens em relação a qualquer situação profissional com uma mulher. Ou, como outro reconheceu, se fosse ao contrário, não saberia o que fazer ou como reagir.

Mesmo que algumas mulheres usem o seu aspecto, aceitem um certo flirt para alcançar os seus objectivos, isso não é profissional e não pode estender-se ao género. A pergunta impõe-se: deve uma mulher deixar de se arranjar, isto é, de ter cuidados com a sua estética e beleza para aparecer absolutamente au naturel? Deverá escolher a roupa que não a torne mais atraente para não se expor? No fundo, deverá uma mulher bonita esconder-se para não ser alvo de  comentários aparentemente inofensivos? Não se trata de usar saias curtas, decotes pronunciados ou qualquer outro elemento visual provocante,  que ultrapasse os limites do bom senso. Deve uma mulher esconder-se atrás da roupa para ser aceite e respeitada profissionalmente? Eu faço-o frequentemente. E vocês?

#CanHeSayThat

#CanHeSayThat

I'm not sure he should. He definitely can, but he shouldn't. I've been in many different professional contexts which allow me to say that more than what you say it is your tone that makes the difference. Besides, it's obvious that a polite compliment is acceptable and that a compliment regarding your looks is quite unusual. Do man compliment themselves regarding their looks and outfits? I don't think they do. Why should man do that about some women's dress?

Networking no feminino?

Networking no feminino?

Este país Não é para novos (ou velhos)

Este país Não é para novos (ou velhos)