Paula_C.jpg

olá.

bem vindos ao urbanista, um magazine de estilo e tendências urbanas.

Candy Crush: o museu dos doces em Lisboa

Candy Crush: o museu dos doces em Lisboa

A novidade em Lisboa chama-se The SweetArtMuseum e pode ser uma história de felicidade em formato açucarado...  

Lisboa está na moda, é (dizem) um lugar feliz e, por isso, a partir de 31 de Maio recebe o The SweetArtMuseum (SAM),  uma espécie de Charlie da Fábrica de Chocolate, mas sem o ar maníaco de Willy Wonka.

Por muito surreal que possa parecer, o primeiro museu pop-up e digital da Europa, poderá deixar-nos água na boca, enquanto confundimos um mundo imaginário com a realidade.

No espaço do museu, em Marvila, vão poder nadar em marshmallows na SplashMallow Pool, babarem-se com os chupas gigantes (que rodam!) da CandyWash Room e ainda sentir um cheirinho a férias (com um “ligeiro” toque a açúcar) dos gelados da Ice Cream Land e pensar naquele -#throwback Verão. Já. 

IMG_9482.JPG

No The SweetArt Museu, a única regra é dizer sim à felicidade. Mas ser feliz deveria implicar também fazer os outros felizes, e foi exatamente nisso que os mentores do projeto, Carlos Santos e Hugo Silva, pensaram quando definiram que por cada entrada no museu seria doado 1 euro à Terra dos Sonhos. A culpa do açúcar a mais reverte a favor de uma causa de sonho.

Como se tudo isto não bastasse, vai haver ainda uma loja que vende merchandising oficial e um App gratuita na qual, para além de puderem comprar os bilhetes, também podem de visitar o museu através da realidade aumentada. 

O urbanista é pela vida e alimentação saudável, sem fundamentalismos e com direito a uma excepção mas, principalmente, diversão. Para os que ainda se rendem ao prazer do açúcar, nada temam: apesar de ser tudo em plástico também vamos poder comer. Os 20 euros do valor da entrada transforma-se em degustações de doces exclusivos ao longo da visita, a melhor definição de realismo no The SweetArtMuseum, que certamente, nos fará viajar no tempo para terminar o dia de forma mais doce...

(texto produzido em conjunto com Inês Queirós, estagiária urbanista) 

Eutanasiar o ponto

Eutanasiar o ponto

Guitarras ao alto

Guitarras ao alto