Yoga pose PC.png

urbanista

a vida como ela é

BookCast: os livros da nossa adolescência

BookCast: os livros da nossa adolescência

Dizem que são os melhores anos da nossa vida e, provavelmente, são. Vistos a esta distância são anos de inocência, ingenuidade e descoberta, muitas lágrimas de raiva e amor, a vida vivida numa intensidade que só a adolescência conhece. Tudo é muito e não há limites para o que sentimos, entre aquele fervor da infância - porque somos umas miúdas, na verdade - e a aparente sabedoria de quem nada sabe. São anos de aprendizagem dura porque ninguém ensina nada. Tudo o que nos dizem nos parece idiota e somos nós que sabemos. E os amigos que também sabem tudo. Naquela ânsia de nos sentirmos parte do grupo fazemos e dizemos os maiores disparates. Perante a ideia de que somos mais do que meros adolescentes fazemos escolhas que hoje nos parecem ridículas e sofremos por amor. Todos os dias. 

Não fui a adolescente popular mas também não era a croma lá da escola. Era assim uma mistura estranha entre alguém que tinha boas notas e respondia sempre com um ar blazé que não tinha estudado. Porque marrar não era nada cool e cada um safava-se como podia. Mas, depois, não andava com os mais fixes lá da escola. Era medianamente normal, excepto no 9º ano, em que fiquei numa turma com mais repetentes do que putos de 14 anos e fui a mascote daquele grupo de young rebels. Nos furos da aulas saíamos todos de mota para casa de um deles e ficávamos na garagem a ouvir música, a comer bolachas e a fazer cenas. Às vezes os casais desapareciam, até ao dia em que a mãe desse rapaz veio a casa a meio do dia e interrompeu a nossa rotina Hollywoodesca dos filmes de Domingo à tarde. Arranjámos, obviamente, outro poiso e, quando demos por isso, o grupo estava fragmentado entre os que queriam mesmo era beijar e os outros que queriam ser só amigos. Typical right?....

Não me lembro se lia mais do que ouvia música mas, em qualquer dos casos, passava muitas tardes a imaginar que a minha vida seria bem mais fixe se fosse uma daquelas miúdas que estava sempre rodeada de amigos à beira da piscina. Não sei onde estão, hoje, essas miúdas, mas sei que não me arrependo de tudo o que li ou ouvi e que partilho neste #bookcast com a Helena Magalhães.

 

Internet a mais, arranhões a menos

Internet a mais, arranhões a menos

Resolução para depois de amanhã: como escolher um ginásio? 3 regras simples

Resolução para depois de amanhã: como escolher um ginásio? 3 regras simples