olá.

bem vindos ao urbanista, um magazine de estilo que assume opiniões sobre temas da vida.

Granado, I L U

Granado, I L U

Quando, há umas semanas, voltei à Casa Pau Brasil para conhecer melhor a Granado não consegui deixar de sentir aquele espírito carioca invadir-me, como sempre acontece quando penso durante mais do que um minuto nesse imenso mundo que é o Rio. Já viajei para o Brasil mas a lei das probabilidades nunca me deixou aterrar na cidade brasileira que mais curiosidade me desperta. Gosto daquele espírito solto e descontraído do carioca, da multiplicidade fascinante de uma cidade de todos os sonhos que se reinventa constantemente. Conheço vários cariocas e gosto de todos eles, mesmo aqueles que já se habituaram ao nosso sorriso fechado e só se revelam quando lhes mostramos o quanto gostamos do seu país. Tenho sempre o coração aberto para o Brasil, naquela abordagem um pouco parva, mas genuína, do "país irmão".

Somos irmãos muito diferentes, nós por cá somos gente boa mas muito tímidos, cultivamos a saudade e uma certa melancolia enquanto os cara estão sempre de sorriso no rosto. Carioca é bem humorado, apaixonado, de braços abertos para abraçar a vida. Tem sempre tempo para um bate-papo no calçadão, suco numa esquina ou água de coco na praia, onde, invariavelmente, o dia termina. Há lá melhor forma de viver do que perto do mar e de espírito aberto para a vida?

A Granado é tudo isso e muito mais: criada em 1870 por José Antônio Coxito Granado, começou por ser uma pharmácia, numa das ruas mais movimentadas do Rio, que vendia produtos manipulados de origem natural. Extratos vegetais de plantas, ervas e flores brasileiras, que vinham directo de Teresópolis (uma espécie de Sintra no estado do Rio de Janeiro) e eram cultivadas pelo fundador da marca. Além disto, José Antônio importava produtos da Europa e adaptava-os ao contexto local: as condições ambientais são diferentes das nossas e, por consequencia, as necessidades da pele também. Além de que os tipos de pele, resultado da mistura que caracteriza "o brasileiro" têm, também, características próprias.

O conceito da Granado mantém-se praticamente inalterado, ainda que actualizado e, 90 anos depois da abertura da primeira filial, em 1917, a marca expandiu para a web e abriu novas lojas. 

Só conhecia a Granado de ouvir falar, muito por causa do polvilho anti-séptico que é dos produtos mais antigos e famosos da marca. Agora, conheço uma grande variedade de produtos, que a Granado fez questão de me oferecer sem pedir nada em troca. Já experimentei o óleo e a manteiga corporal, bem como o desodorizante e a eau de toilette, o ambientador e os sabonetes. Estes últimos têm pouco resíduo (aquela pasta depois de usar) e usam gordura vegetal, o que, seguramente, faz toda a diferença. São Phebo, marca que integra o portfólio da Granado. O melhor é que os experimentei no contexto Europeu do do Caribe, onde a humidade e o calor extremo se aproximam mais das condições no Brasil. E sabem? A Granado passou ambos os testes com distinção! Depois de um mês inteiro de sol e mar tenho a pele hidratada e (muito) dourada...

Preocupada com homens e crianças, esta é uma marca para toda a família. Cá em casa o bálsamo pós barba tem sido um sucesso e até eu tenho usado, quando sinto a pele mais sensibilizada pelo sol.

IMG_9438.JPG
IMG_9431.JPG

Os meus preferidos, até agora, são a manteiga corporal de castanha do Pará, que deixa a pele hidratada, absorve muito rapidamente e dá a sensação de que não temos creme, faz-nos (quase) pensar que a nossa pele é mesmo assim, naturalmente sedosa. Mesmo quando não é. Depois da praia tenho usado muitas vezes o óleo suavizante corporal de calêndula e, verdade seja dita, mesmo não sendo apologista destes aromas a flores, a d o r o este óleo super hidratante e nada gorduroso!!

IMG_0979.JPG
IMG_0954.JPG

Top of the tops?... O anti-transpirante Granado sem perfume. Na primeira utilização não surpreendeu porque ao fim de poucas horas... enfim... sabem o que acontece, não é?... Mas decidi dar-lhe uma nova oportunidade e hoje estou rendida! Não cheira, mas cheira bem. Nada daqueles odores típicos dos desodorizantes ou anti-transpirantes e eficácia a toda a prova. É certo que têm alumínio (os outros todos também...) e infelizmente não consigo adaptar-me às versões naturais, aluminium free. 

O eau de toilete?

Bota carioca nisso cara ♡ ♡ ♡ 'Tou sambando esse Verão!

 

 

 

Tendência: regressar, recomeçar, reinventar

Tendência: regressar, recomeçar, reinventar

Férias hoje: o que levar

Férias hoje: o que levar