olá.

bem vindos ao urbanista, um magazine de estilo que assume opiniões sobre temas da vida.

Late night post

Late night post

It's Dade, dude!

A Europa é muito diferente dos Estados Unidos. Em todos os sentidos. Mesmo que boa parte dosestados tenham sido povoados por europeus, é tudo diferente. Começa por ser maior. Em todos os sentidos. Estradas amplas, com tantas faixas para cada um dos sentidos, vias de saída e entrada, que cada uma parecem duas. Ou três. São rectas. Longas. Intermináveis. Ligam cidades mas também ligam mundos diferentes. Na Flórida, o ritmo é diferente. A luz solar tem impacto na nossa (boa) disposição e tudo parece melhor de frente para um mar muito verde com aquela temperatura que, não sendo quente, convida a mergulhar. Como se costuma dizer "está boa, não custa a entrar". Não custa mesmo.  Os mergulhos sucedem-se a qualquer hora do dia enquanto o vento leste mantém a temperatura amena. Quando aquece, o sol escalda.

Em Miami Beach tudo é pensado em função do mar e da praia, com uma Ocean Drive que coordena parte das actividades, um Boardwalk à americana, com gente a caminhar, correr ou a puxar pelos bíceps. Há outros em patins. Em linha e dos outros. E turistas. Tantos. De todas as nacionalidades. Muitos selfie sticks. Muitos sorrisos.

Fui recebida em espanhol e respondi em inglês. Miami ainda é parte dos E.U.A. embora pareça ter sido anexado por falantes da língua espanhola, provenientes das mais variadas origens. Já há brasileiros e, como em qualquer outro local nos Estados Unidos, há emigrantes provenientes de todos os lugares do mundo. Mas, latinos, dominam. O que dá a Miami uma característica especial, de ser a América, sem verdadeiramente o ser. E o que se pode dizer daquilo que é, mas não é? Pouco. Se gostei? Naturalmente que sim. Um sol fantástico, um mar sem fim no qual só apetecia mergulhar e nadar, uma localização em frente à praia para sair já de fato de banho, enrolada na toalha, correr no paredão ao fim do dia, uma tribo local muito eclética. Tempo livre para estar, sem me preocupar? Restaurantes que contrariam o fast food e revelam misturas interessantes entre a cultura e a comida? Uma inacabável vontade de sentar-me a ver quem passa, com uma diversidade intensamente diversa e divertida? Lojas com promoções às quais podemos chamar promoções, e marcas que não encontramos na Europa? Ou que encontramos mas que têm preços consideravelmente mais baixos do outro lado do Oceano? Obviamente que gostei. Não vi museus, espectáculos ou galerias de arte. Porque o corpo às vezes pede apenas mar e sol. Mas cruzei-me com a art dèco que em Miami Beach está em todo o lado. Sol, mar e compras? Miami.

Friday Digest

Morning post

Morning post