olá.

bem vindos ao urbanista, um magazine de estilo que assume opiniões sobre temas da vida.

Decorar não é só pintar paredes. Menos ainda, pintá-las de branco...

Decorar não é só pintar paredes. Menos ainda, pintá-las de branco...

O homem normal, o gajo, aquele que por quem nos perdemos de amores, normalmente não tem jeitinho nenhum para a decoração. Zero. Null. Não entende a importância de uma almofada  e é capaz de a amachucar, deixando-a de tal forma embrulhada, que precisamos de uma grande dose de auto-controlo para não gritar. Com ele. E pela saúde da almofada.

Velas. Também não as entendem. Especialmente as que têm aromas. Candeeiros. Servem para iluminar. Ponto. Por isso, não interessa muito se o seu local estratégico é aquele e não outro, porque a sua função é dar luz. Não apenas, mas também, digo eu. Por isso, tantas vezes o raio do candeeiro está deslocado. Fora do sítio. Ligado a outra ficha porque foi preciso carregar o telefone. Ou o computador. Impossível ter uma divisão arrumada. 

Objectos. Outro enigma. Assim como cortinados e outros pendentes. Cadeiras. cadeirões e pequenos sofás. Verdadeiros tabus para a mente masculina... 

Homens e mulheres vivem em casa de forma diferente. Independentemente da maior ou menor organização e arrumação, na verdade eles querem funcionalidade. Elas querem funcionalidade com beleza e inutilidade. As coisas têm de servir para alguma coisa. Não servem só para estar ali. Porque sim, porque elas acham que é giro. Mesmo que seja inútil.

Por isso, quando se encontra uma casa, começa todo um processo. Longo... De conversão das ideias dele na decoração que ela já idealizou. Sim, porque elas - na sua maioria - quando entram numa casa, sentem-na e sabem que aquela vai ser A casa. Eles entram, olham, tiram medidas e saem a dizer que um quarto é maior do que o outro quando, na realidade, as medidas são inversas. E criticam a casa ser toda virada a poente quando, efectivamente, só um dos quartos apanha sol... Generalizações valem o que valem. Também há homens que gostam de almofadas. E mulheres que têm três almofadas no sofá da sala só para as poderem amachucar de forma embrulhada.

No entanto, o processo tem sempre de existir, porque, com mais ou menos almofadas, velas e candeeiros, eles pensam que tomam decisões quando, na realidade, só vão ao encontro do que elas planearam... No caso, estamos de acordo em três coisas: simplicidade, almofadas para amachucar à vontade e paredes transformadas em arte, como propõe a Urban-Art, projecto que descobri recentemente nesta loucura de recolha de grafittis pela cidade de Lisboa, e que se propõe a trazer a arte da rua para dentro de casa, ou reinventar obras de arte nas paredes da nossa casa. Resta agora discutir qual vai ser a reprodução e a parede. Eu já vi algumas que me agradam, mas isto é coisa para mais um processo...

Ideias daqui e dali que podem acabar lá em casa...

as paredes, que não vão ser brancas

#urban-art #decoration #home

waffles don't lie: on the Way(flle) to a lifetime on my hips

Comer. Exercitar.

Comer. Exercitar.