olá.

bem vindos ao urbanista, um magazine de estilo que assume opiniões sobre temas da vida urbana.

Afinal... Havia outra...

Afinal... Havia outra...

... Razão.  

www.letsbegamechangers.com

www.letsbegamechangers.com

Já lá vamos. Primeiro, sim, o título é também título de uma música da Mónica Sintra. Pirosa como tudo, com um ritmo e melodia das feiras e romarias, e uma letra de cortar os pulsos. Peeconceitos à parte, conta a estória de uma que pensava ser única até descobrir que, afinal, havia outra. No caso de Essena O'Neil, sobre o qual escrevi ontem, parece que, afinal, há outra. Razão para aquilo tudo. Escrevi sobre a Essena aqui, e num artigo que será publicado na revista BRIEFING, no qual me questionava sobre a verdadeira razão de ser daquela suposta tomada de consciência, argumentando o potencial de manobra promocional. Dizem as más línguas que, afinal, não me terei enganado. Será apenas inveja e má vontade?

O Mashable pegou nos dois lados da questão e eu inspirei-me para retomar o tema. Não tenho - não temos - como saber. Mas uma coisa sabemos: para o bem ou para o mal, a miúda chamou à atenção de algo que todos sabemos mas optamos por ignorar. E se, com isso, fez crescer o seu número de seguidores nos media sociais, se durante os dias ocupa tempo de antena nos media tradicionais expondo as manobras e técnicas de publicação online... So be it, não está a fazer mal a ninguém. Pelo contrário. Se, com isto, aproveita para se reposicionar e lançar uma nova abordagem trilhando um caminho do lado de lá, como uma espécie de grilo falante dos media sociais, também não me parece mal. 

Mas é mesmo chato quando alguém que conhecemos, cujo trabalho acompanhamos e que, no fundo, até era nossa concorrente sem se destacar ferozmente passa a ser o centro das atenções, isso é. Que a natureza humana não aguenta e activa os sensores de protecção, disparando inveja em todos os sentidos, isso também é verdade...

Nós por cá - e eu ainda menos - não somos nada de ir na corrente e publicar ou repassar o que já está a circular na rede, mas este tema é incontornável. E não é pelas razões que aparenta. 

Da denúncia à tomada de consciência e desta, ao buzz nas redes há duas questões mais importantes do que estas: a sua (aparente) percepção sobre aquilo que (também) são os sites de redes sociais; o apelo ao realismo na comunicação. Mesmo na comunicação mediática.

A Essena conta a estória...

"Want the story? It's simple. I spent 12-16 wishing I could receive validation from numbers on a screen. I spent majority of my teen years being self absorbed, trying desperately to please others and feel 'enough'.  Spent 16-19 editing myself and life to be that beautiful, fitspo, positive, bright girl online. I didn't talk about topics and interests of me, nor did I pursue my childhood talent for writing. I didn't find happiness in social approval, constantly edited and shooting my life. So I decided to quit, left humours educational captions meant to raise awareness, now I want to start something important".

O paradoxo está na sua cruzada contra a mentira que usa as mesmas ferramentas que utilizou para mentir - iludir, mais concretamente - e na necessidade de fugir dos holofotes, colocando-se ainda mais no centro do foco. Pensemos, contudo, de forma positiva porque é essa, no fundo, a mensagem que pretende passar: imagens mais reais, menos dependência da aprovação de terceiros, mais proximidade ao quotidiano e menor edição de imagens. Tudo ao contrário do que andamos a fazer, portanto...

 

#socialmedia #reallife #bodypositive

 

das (s)enas que dão pano para mangas

Demora. Mas aprendemos