olá.

bem vindos ao urbanista, um magazine de estilo que assume opiniões sobre temas da vida.

Tropeçar não é o mesmo que cair

Tropeçar não é o mesmo que cair

Se há uma coisa que não entendo, é a violência.

Se há uma coisa que não admito, é a violência.

Se há algo que não aceito, é a violência.

Mesmo numa lógica de "quem vai à guerra, dá e leva", não compreendo.

Nathan Walker

Nathan Walker

A violência não é só aquela que se vê e deixa marcas. Há outra, mais profunda, enraizada no medo e na submissão, que impede muitas pessoas de viver. A violência doméstica ocorre sobre homens e mulheres, é certo, mas as maiores vítimas são elas. A maioria também são elas. Porque são fisicamente mais frágeis, porque foram ensinadas a serem submissas, a sujeitarem-se à vida.

"É a vida... É assim".

Não é. Por muito que possam pensar que é, não é.

Porque ninguém tem o direito de violentar o outro, seja de que forma ou porque motivo for. A violência exerce-se de diferentes maneiras e a violência psicológica é, de todas as formas invisíveis de violentar alguém, a pior.

Todos os anos, o mundo acorda para o drama da violência, no Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres.

Em 2015 e uma vez mais, o contexto de violência doméstica, a não-aceitação da separação, a atitude possessiva, os ciúmes e a compaixão pelo sofrimento da vítima representam 81% da motivação ou suposta justificação pela prática do crime.
— Observador (relatório do Observatório de Mulheres Assassinadas )

Não concebo que a paixão inclua violência. Com excepção para o amor violento e sexual, aquele que sabemos que só faz bem, que nos estimula e leva aos limites, qualquer violência deve ser levada em consideração. Palmadinhas afectivas não entram em jogo, excepção feita se essas palmadinhas forem o requisito do prazer. Pode ser um indício de muitas outras coisas. Adiante... A violência, doméstica ou não - chamem-lhe como quiserem - violência é sempre violência... Tem de acabar. O amor não supõe qualquer forma de violência.

As mulheres - algumas mulheres - acreditam que para serem amadas têm de ser violentadas. Eu acredito que não. Como também penso que, para deveres iguais, direitos iguais. Como também sei que teria sido uma sufragista se tivesse nascido no final do século XIX, no momento em que as mulheres recusaram a humilhação e desconsideração que a história lhes reservou. Se foram capazes de mudar a história, não seremos nós, capazes de mudar esta história?

Também sei que há, ainda, muitas mulheres que morrem por prática de crimes contra a sua integridade física. Outras são perseguidas. Mensagens, flores e comentários ao estilo Alex Forrest (Glen Close em Atracção Fatal) ou o suposto assédio sexual de Meredith Johnson (Demi Moore) no filme Disclosure, perante um Michael Douglas que inocentemente entrou no jogo. Curiosamente, o cinema inverte os papéis com frequência, colocando-as como perseguidoras tresloucadas mas que, em boa verdade, não ultrapassam a obsessão, sem qualquer consequência física, mostrando o lado maquiavélico tantas vezes associado ao sexo feminino. Estereótipos de género que o cinema tende a enraizar. Na verdade, não faltam eles diabólicos, que as entendem enquanto propriedade, numa possessividade sem limites e ciúme do próprio espelho. São relações tóxicas das quais qualquer um deverá fugir, especialmente as mulheres. Que se encolhem com medo. Que se deixam ficar, por medo. Que se anulam, por medo. Depois, há as que andam sempre a cair, que escorregam e batem nas esquinas dos móveis, mulheres muito desastradas que inventam para esconder murros e outros pormenores da sua vida íntima. Na rua, elas são também violentadas porque as calças eram justas, a saia curta ou porque estavam mesmo a pedi-las quando não pediram nada mas, também porque, de boca tapada por uma mão surpreendentemente grande, não gritaram "não" de forma convincente.  Não faltam estórias destas. Perante os dados que as notícias dão a conhecer, continuamos, sem dúvida, a ser o sexo mais fraco. Até quando?



É música? Mexeu.

Mamas. Este post é sobre mamas.