olá.

bem vindos ao urbanista, um magazine de estilo que assume opiniões sobre temas da vida.

Ginásio? #not

Portugal poderia ser um país pequeno e, no entanto, muito grande. Mas não é. Escolheu ser pequenino, mesquinho, teimosamente retrógrado e muito invejoso. São poucos os que nos ajudam na subida e muitos os que regozijam com as quedas dos outros. Mesmo que signifique também a sua queda. Não há uma cultura de concorrência, de fazer mais e melhor do que os outros. Não, quando alguém faz melhor ou, simplesmente, diferente, a estratégia é simples: imitar ou aniquilar. 

Os pequenos imitam e ficam com as migalhas. Os grandes aniquilam e varrem as migalhas. 

Eu não frequento um ginásio. Isso faz toda a diferença. Porque na maior parte dos ginásios, especialmente os grandes, aqueles que todos conhecem, mesmo não os frequentando, tratam-me pelo nome e esboçam um grande sorriso sem saberem quem sou. Têm planos e esquemas de acompanhamento pagos a preço de ouro e aulas nas quais já dei por mim a bocejar ou a saber mais do que quem estava a ensinar. Not good. Fartei-me. Not good. Há excepções. Pessoas e professores fantásticos em locais aparentemente fantásticos e que servem principalmente para passear toalhas. Elas, perfumadas e maquilhadas. Eles, com o cabelo no sítio, a tonificação perfeita e a roupa cuidadosamente escolhida, como se fossem treinar e, simultaneamente, desfilar.

Nada contra. Não é o meu género. Não vou praticar o que quer que seja com as t-shirts velhas e desbotadas mas também não quero sentir-me o patinho feio num desfile de moda. Faço-o pela prática e pelo que esta me oferece. Para além da satisfação pessoal, o prazer de dançar, o corpo desenferrujado, a mente livre. Não tem preço, embora se pague. 

Já aqui vos contei que descobri o local ideal para o fazer e vou repetir. Somos só mulheres o que, por si, faz a diferença (nunca mais me preocupei com alças do soutien, calças justas ou transparentes quando molhadas de suor) e não há uma lógica de ginásio, de prestação de serviço. Há uma missão. A Mafalda Sá da Bandeira está lá para nos educar, melhorar e fazer perceber como uma boa postura pode mudar a nossa vida. Porque muda. Dificilmente encontramos isso num ginásio. Porque o MSB Studio não é um ginásio. Não é um espaço para a prática de exercício físico, embora o exercício também aconteça. Como o nome indica, é um studio (estúdio), um espaço de criação artística. Porque aquilo que ali acontece todas as manhãs, é arte. Pura arte.

 

image.jpg

Escrever

Moda Lisboa (a)