olá.

bem vindos ao urbanista, um magazine de estilo que assume opiniões sobre temas da vida.

Corpo de sonho? Está tudo na nossa cabeça

Corpo de sonho? Está tudo na nossa cabeça

Não tenho dúvida sobre a importância da resiliência na vida. Para qualquer coisa é a nossa capacidade de acreditar que nos motiva a perseguir o objectivo. No desporto, também. O segredo para um corpo de sonho não é a actividade física, como nos querem fazer acreditar mas, antes, a nossa capacidade para não desistir.

Às vezes perguntam-me como é que eu consigo e eu digo sempre que temos de querer conseguir. Seja o que for. No caso da prática desportiva ainda mais, porque para quem não faz nada, é preciso querer muito, para encontrar força para sair do sofá ou descobrir um espaço na agenda, mesmo quando esta está livre. 

Tenho amigas que não fazem nada e outras que se esmifram para ficarem magras. Na verdade, são mais as que já deixaram de se preocupar com os parâmetros que a sociedade definiu, assumindo o seu corpo com as suas (aparentes) imperfeições. Adoro-as por isso. Porque comem por prazer e não se envergonham dos seus refegos fofinhos. Outras não praticam exercício, têm cuidado com a alimentação e queixam-se com dores no corpo. Outras, não se queixam de nada e perguntam-me como é que eu aguento, que se sentem cansadas só de me ver entre o ginásio e a praia. Está tudo dentro de nós e cada um terá o seu ritmo. Serei provavelmente a mais desportista das minhas amigas e, talvez por isso, começaram a pedir conselhos. Digo-lhes sempre que não interessa se chegamos com as mãos ao chão ou se dobramos os joelhos para lá chegar. Interessa tentar. Mexer o corpo para contrariar a má postura do dia-a-dia. Não interessa se queremos queimar gordura, tonificar os braços, ganhar força ou flexibilidade... Importa pensar que somos capazes, porque essa força é inabalável e superior a cada um de nós. Há um ano não estava certa de que tudo o que atingi até agora estivesse ao meu alcance e, afinal, está. Ensinar e ajudar os outros está-me no ADN mesmo que, durante muito tempo, o tenha negado. E se puder ajudar estas amigas a combater o sedentarismo, a preguiça que as invade, a falta de vontade para se esforçarem, já fico feliz. E sei que elas também.

Só temos de acreditar e começar. O resto, vem por si. Como começar?

Definam objectivos semanais (mesmo que seja começar)

Estabeleçam uma consequência se não cumprirem esse objectivo e arranjem um amigo que garanta que a consequência acontece

Registem a vossa evolução (o instagram é excelente para isso e ainda recebem uns likes de motivação!)

Encontrem uma actividade de que gostem e mantenham-se fiéis durante, pelo menos, 3 meses

Criem uma fórmula de auto-motivação (post-its no frigorífico, alarme no telefone, ... inventem!)

Três meses depois...

Estão com melhor disposição e mais energia

Menos stress e maior resiliência

A sensação de vitória e de que vida vos sorri

Mais e melhor sono e um sistema imunitário mais resistente

Vão esperar pelo dia de amanhã para se começarem a mexer?

 

o meu primeiro cabelo branco

o meu primeiro cabelo branco

Como eu me livrei das borbulhas sem fazer nada!

Como eu me livrei das borbulhas sem fazer nada!