olá.

bem vindos ao urbanista, um magazine de estilo que assume opiniões sobre temas da vida.

Medo de crop tops

Medo de crop tops

Hoje cruzei-me com um vídeo no Instagram, daqueles que apelam ao amor próprio no qual uma mulher volumosa falava sobre os comentários de que é alvo quando veste um crop top.

A Meghan Tonjes diz umas quantas verdades porque, de facto, a vida é demasiado  curta para estas coisas e, na verdade, a maior parte das pessoas o que tem é inveja da sua auto-confiança para usar crop tops ou sentar-se na piscina com a sua celulite e refegos.

Fiquei a pensar na importância da nossa auto estima para vestir peças como um crop top... Nisto de imagem corporal sou muitas vezes alvo do comentário assim meio paternalista que diz qualquer coisa como... ah... com esse corpo, não tens problemas... Pois bem, tenho. Não uso crop tops. Porquê? Tenho vergonha. Não tenho medo, mas não gosto de certos olhares. Também seria alvo de comentários. Porque os crop tops deixam a barriguinha à vista. Porque a sociedade acha que importa mais a idade do que o corpo e que uma senhora não pode vestir roupa de jovens. Primeiro, quando é que se passa a ser uma senhora? Quando os putos dizem, "deixa passar a senhora" no elevador?

Não sei quem definiu estas coisas e já antes me deparei com algo semelhante, em relação aos calções de ganga estilo boyfriend. São folgados e, por isso, não marcam o corpo nem deixam aquela befinha de fora. Sabem do que estou a falar, não sabem? Pois eu acho que pior do que uma mãe, uma mulher de quarenta anos ou uma respeitada profissional - seja lá o que isso quer, concretamente, dizer - pode vestir aquilo que a faz sentir bem. Isso da reputação e respeito profissional estar directamente depende da roupa que se pode, ou não usar, já podia acabar. E tenho pena de ter vergonha de usar crop tops, caso contrário haviam de ver!...

O fato de banho perfeito existe

O fato de banho perfeito existe

Gostar de nós é o que faz a diferença

Gostar de nós é o que faz a diferença