olá.

bem vindos ao urbanista, um magazine de estilo que assume opiniões sobre temas da vida urbana.

A Kate é como nós

A Kate é como nós

There’s more room for all of us now—no matter our sexuality, race, body size, gender or whatever else.
— Chrissy Metz (for Harpers Bazaar)
© Harpers Bazaar

© Harpers Bazaar

Antes era a personificação de Kate, personagem que representava no drama familiar "This Is Us" da NBC, agora é puramente Chrissy Metz, a nova modelo pinup de Hollywood. A modelo põe os pontos nos is numa industria dominada por mulheres bonitas, magras e bronzeadas, o estereótipo do corpo jovem e saudável. E será a primeira, provavelmente a única vez, que me irão ouvir afirmar que a Chrissy, realmente, não corresponde ao paradigma. Porque ela o afirma, porque a indústria a foi buscar exactamente por isso, transformando-a numa figura ainda mais gorda do que já é. Chrissy  aboliu a palavra gorda do seu dicionário, referindo-se a si própria usando outros adjectivos. Sofreu com isso a vida inteira a ponto de quase se resignar a ser agente de outros artistas por não encontrar papeis para si. Era sempre demasiado gorda ou o bobo da corte, em função da sua aparência. Até que "This is Us" aconteceu e mudou o paradigma. Ou contribuiu para o mudar. Talvez por isso Chrissy seja completamente real, verdadeira e relatable. Esta é uma palavra que obviamente remete para relação. Mas é mais do que isso. No seu sentido simbólico refere-se à forma como nos conectamos, revemos e identificamos com alguém. Não conhecia Chrissy Metz até me ter cruzado com a sua personagem Kate em "This is Us". Ela é vida. A nossa vida, independentemente do nosso peso, porque representa todas as nossas fraquezas e fragilidades, razão pela qual o seu peso, as suas formas são tudo menos importantes para a narrativa, embora determinantes para  mudar a indústria de entretenimento americano e redefinir o conceito de beleza. 

 

Política de saltos altos

Política de saltos altos

A guerra dos sexos já não existe

A guerra dos sexos já não existe