olá.

bem vindos ao urbanista, um magazine de estilo que assume opiniões sobre temas da vida.

Calor

Calor

Na maior parte das vezes não sei o que responder à frase de circunstância sobre o calor que está. Menos ainda quando avançam que este Verão tem sido de ananases e que o Agosto não costuma ser assim. Faço o meu papel - mal - e sorrio, aceno com a cabeça ou comento no mesmo sentido. Por vezes não me contenho e começo a recordar às pessoas que já alguns anos que vem sendo assim, que só vai piorar, que só pensamos nisso quando o calor se instala, que andamos felizes e contentes com um Inverno seco e agradável. 

7:36 am Lisbon (#nofilter)

7:36 am Lisbon (#nofilter)

É quando estendo a roupa na lavandaria e sinto o calor - o tal, de ananases - que me lembro sempre destas conversas inúteis, responsabilizando-me por me manter calada quando deveria dizer a verdade. Sim, está calor e a culpa é nossa. O degelo, os automóveis, os aerossóis e o consumo excessivo de carne de vaca e tal. Ninguém quer ouvir. Como a palavra cancro que só acontece aos outros, a palavra calor acontece a todos. Não me interpretem mal, gosto do calor e da descontração que este nos dá, mas não gosto de pensar que as estações do ano, que ainda ensinamos às crianças na escola, não têm correspondência com o passar dos dias, nem gosto de explicar à minha filha a razão pela qual tal acontece.

Global warming? Naaaa..... 

Plástico a mais. Petróleo em demasia. Descuido sem fim. Excepções à regra. Aqueles dogmas irrefutáveis sobre o fim do mundo ser uma superstição. Não será o fim do mundo, mas será seguramente o fim do mundo como o conhecemos, para nos apresentarem uma versão árida do que tomamos por garantido. Isso, apreciem o calor. Desfrutem. Aproveitem. Não se esqueçam: qualquer dia será sempre assim.

 

Não se está bonita. É-se bonita

Não se está bonita. É-se bonita

Try

Try