olá.

bem vindos ao urbanista, um magazine de estilo que assume opiniões sobre temas da vida.

#cleaneating

#cleaneating

Escrever, dizem, é libertador e uma espécie de catarse. Tenho de reconhecer que o urbanista tem-me ajudado em muitos sentidos, assumindo-se como o projecto que me define e identifica, com o qual outras pessoas se identificam e uma ferramenta que tem ajudado ao meu crescimento pessoal. Profissional, também. Começou por ser apenas uma experiência quase laboratorial para ajudar os meus alunos na faculdade a desenvolverem competências multimédia e uma ferramenta para que eu pudesse, também, explorar essas mesmas ferramentas. Seria um estudo de caso em permanente actualização. Rapidamente me tornou sua escrava, numa roda vida de produção em que mais é menos, ou seja, muito não é sinónimo de qualidade. Foi quando percebi a importância do urbanista na minha vida, quando entendi o seu ritmo e potencial. Hoje assumo que o urbanista sou eu e que eu também sou o urbanista. Por isso, se me ajudar a ser uma pessoa melhor e se puder ajudar outras pessoas, perfeito!

Por isso, quando me perguntam coisas sobre a alimentação que faço, fico feliz e tento ensinar o que sei. Não sou nutricionista mas leio muito, tento absorver todas as informações que encontro e juntar as peças. Tudo começou porque queria abandonar o ciclo vicioso do isto até nem é muito saudável mas é só hoje e porque percebi que, aquilo que comemos tem implicações directas para a nossa saúde. Distante do cliché da alimentação e saúde, na verdade sofro de sinusite crónica desde… sempre?… Lembro-me de ter a idade da minha filha quando me diagnosticaram e começaram a tratar. É uma doença crónica ocasionada por factores externos que nos acompanha todos os dias. Contudo, uma coisa é o que dizem os médicos, outra a realidade... Boa parte das infecções respiratórias ou da sinusite começa nos intestinos. Portanto, o que comemos define o estado em que estes se encontram.

Dois mais dois são mesmo quatro e não é que a alimentação mais cuidada que passei a ter fez com que este Inverno e Primavera estejam a ser livres de sinusite? Com excepção da alimentação, tudo está igual. Não mudei mais nada. Dois e dois têm mesmo de ser quatro….

Bolo de Chocolate

VEGAN. sem açúcar ou farinhas refinadas

E que alimentação é esta? Uma alimentação que tem muita atenção ao que dizem os rótulos, que evita embalagens e privilegia alimentos naturais, como legumes, frutas, farinhas não refinadas e integrais. Traduzindo? Não há açúcares adicionados, nem bolachas, nem crackers, nem tostas, nem cereais fit disto ou integrais daquilo, nem natas, nem leite, nem bolos ou pasteis na pastelaria, nem sumos de pacote ou refrigerantes, barrinhas e snaks supostamente saudáveis, nem tantas coisas que nos dizem não fazer mal (nota: nunca dizem que faz bem...) e que, lendo o rótulo, percebemos que são bombas a todos os níveis: excesso de sal ou açúcar, sem quaisquer fibras ou proteínas. No Dia Mundial da Pastelaria achei por bem partilhar... Aprendam a ler nas entrelinhas, descubram o que significam as palavras e fujam de tudo o que tem conservantes. A vossa vida agradece.

Bolo de Cenoura e Chocolate

VEGAN: sem açúcar ou farinhas refinadas

3 razões para dançar todos os dias

3 razões para dançar todos os dias

Quero. Posso. Como!

Quero. Posso. Como!