urbanista

The Greener Frequent Flyer: viajar faz bem a tudo, e especialmente se a mala for leve e “verde”

Afirmar que se gosta  de viajar e conhecer o mundo é… banal. Quem não gosta?

Viajar significa que expandimos horizontes, que conhecemos outras realidades, que nos afastamos temporariamente da nossa, seguros de um regresso ao casulo que nos protege e aconchega. Só vantagens. Mas cansa.

Fui, durante um (bom) tempo da minha vida, “frequent-flyer-solo-traveler” até que me fartei. Viajava a trabalho, sempre sozinha, sem bagagem de porão e sempre com a ideia de que andava com a casa às costas enquanto cresciam as saudades de casa. Por isso, cansei-me de tudo o que significa viajar em trabalho, do impacto que tem na nossa vida, do trabalho que se acumula enquanto estamos fora e da vida que acontece quando não estamos... Mas aprendi truques incríveis que facilitam a vida a qualquer viajante e, hoje, sinto que já não sei ser apenas turista, ficar na fila mais longa, demorar a colocar os objectos no tabuleiro para o raio-x ou esquecer-me de um pormenor de metal que faz o alarme disparar. Cheguei ao ponto em que os seguranças não têm tempo de me dizer “para retirar” porque já retirei, “perguntar”, porque já respondi ou porque já coloquei o smartphone no tabuleiro ou… qualquer outra coisa que interiorizei de tal forma que sou uma viajante rápida, mas chata, porque perdi a paciência para viajar.

O turismo é cada vez mais instagramável, os smartphones estão em todo o lado e, mesmo sendo muito úteis, retiram parte da graça de estarmos em viagem, fora da nossa zona de conforto.

Há aspectos positivos que hoje vou partilhar porque é nos pequenos pormenores que está a diferença quando viajamos apenas com bagagem de mão.

O mote desta última viagem em família foi “travel light e com o menor impacto possível”:

Uma mochila pequena para cada um, com roupa suficiente para 4 noites e 5 dias frios, incluindo produtos de higiene e beleza. Detalhes?

Roupa:

  • Usar jeggins ou leggings porque ocupam pouco espaço, dobram-se facilmente, não ficam vincadas e não amachucam;
    Adoptar o estilo em camadas: permite trocar as peças junto ao corpo e alternar as outras;

  • Usar uma base de algodão e as peças superiores em algodão (uma sweatshirt, por exemplo), lã (woolmark a sério, nada de fibras) ou cachemira (não se chorem em relação ao preço, tenho mais do que uma comprada nos saldos da Zara por 19,90€) que podemos retirar em caso de calor;

  • Combinar as cores e os tecidos para poder trocar a ordem das peças;
    Usar vestidos de algodão e saias: as collants ocupam pouco espaço, os vestidos e saias curtas não amarrotam;

  • Escolher um cachecol e gorro a combinar (eu e a #lovelyrita trocamos entre nós, o mesmo acontece para o cachecol que o meu marido escolhe) para podermos trocar uns com os outros e variar;

  • Levar sempre um casaco quente, uns botins e umas sapatilhas que se arrumem no fundo da mala (não vá a caminhada resultar numa bolha - ter uns sapatos adicionais pode ser maravilhoso);

  • Pijama? Umas leggings que possamos usar confortavelmente no hotel para o pequeno almoço ou quando chegamos depois de uma tarde inteira a caminhar e uma t-shirt confortável que também possamos usar na rua em caso de necessidade. Jamais um pijama a sério!

  • Um impermeável daqueles que se dobram até ao infinito, a não ser que confiem na sorte e na previsão do estado do tempo, como eu :)

Higiene e beleza:

  • Confiar no hotel para os básicos ou, de preferência, levar em barra. Em último caso, travel size (a Kiel’s vende no aeroporto) ou amostras para os restantes (a Lush e a Body Shop têm amostras em pequenas embalagens reutilizáveis);

Outros:

  • Escolher uma mala de mão pequena, com tamanho que permita guardar água, gorro, cachecol, para usar a tira-colo (deixa as mãos livres, alivia o peso nas costas e garante que a protegemos em ambiente pick-pocket)

  • Levar sempre um tote bag de pano ou um saco dobrável adicional (one never knows…)

  • Deixar a carteira em casa e levar apenas os documentos fundamentais numa carteira pequena (bimba y Lola tem opções ideais)

  • Ebook no smartphone e música para acompanhar com auscultadores de enrolar que se guardam numa caixa pequena

Apps fundamentais:

  • Google Maps com o mapa local offline (podem descarregar antes de partir)

  • App da companhia aérea na qual vão viajar

  • Booking por causa do hotel

  • Leitor de PDF’s (por causa de algum documento que tenham descarregado)

  • Meteo para saber sempre o estado do tempo

  • TripAdvisor para restaurantes ou Google maps com a mesma informação

  • Uber

  • App dos transportes públicos ou mapa do metro

    Tradutor (lembram-se daqueles dicionários minúsculos?!...)  para podermos traduzir “palhinha” (já vão perceber)

E o impacto?

  • Usar uma garrafa de água reutilizável 
  • Levar uns snacks para o caminho e, ao pequeno-almoço, levar uma peça de fruta ou um snack para o caminho (pela primeira vez estive num hotel que tinha barras de cereais para levarmos)
  • No hotel, utilizar as toalhas mais do que uma vez
  • Dizer sempre “thanks, but no, thanks” quando nos entregarem uma bebida com palhinha, avisando sempre que não queremos palhinha
  • Usar shampoo/gel de banho sólido (em barra) e o mesmo para despdorizantes 
  • Escova de dentes de bamboo (eles podem ficar com a barba por fazer durante 4 dias, não?...)
  • Levar um saco reutilizável para as compras
  • Comer gelados em cone e evitar qualquer bebida em garrafas de plástico. 

Easy as a pie, certo? 

 

Saudável ou instagramável? 8 locais cheios de luz e 4 de fazer crescer água na boca

Saudável ou instagramável? 8 locais cheios de luz e 4 de fazer crescer água na boca

Locais bonitos e saudáveis. Instagramáveis? Um olhar urbanista sobre esta tendência de fotografarmos comida bonita e uma selecção para comer ou trabalhar: 8 lugares nada secretos que recomendo pela comida, atendimento ou luminosidade, e 4 lugares menos saudáveis mas que nos deixam sempre água na boca...

BookCast: life changing books, ou as histórias dos livros que sabemos que nos vão mudar a vida.

BookCast: life changing books, ou as histórias dos livros que sabemos que nos vão mudar a vida.

A expressão "life changing" aplica-se a quase tudo. Aos livros também, porque há leituras que fazemos que nos mudam para sempre. Assim é com algumas das escolhas que hoje trazemos ao BookCast, este pseudo podcast que nada mais é do que uma conversa de gajas, que gostam de ler, sobre os livros que andam a ler.

Apps de yoga, the magical, podcasts e o urbanista

Apps de yoga, the magical, podcasts e o urbanista

O yoga entrou há pouco tempo na minha vida. Mas, como um grande amor, foi arrebatador e chegou para ficar, com um poder transformador que me mudou para sempre. Por isso volto ao yoga, porque tenho sido abordada por muitas pessoas têm curiosidade e não sabem se o yoga é mesmo para elas, explorando algumas aplicações que ajudam a dar início à prática.

Sinusite: "bye, boy, bye"! Como eu venci a sinusite em 3 passos

Sinusite: "bye, boy, bye"! Como eu venci a sinusite em 3 passos

Durante anos (muitos!) sofri de sinusite e, garanto, não era brincadeira. Anti-histamínicos com frequência, corticoides com fartura e antibióticos três a quatro vezes ao ano. Era vida? Não era mas eu não conhecia outra, os médicos diziam para tomar um anti-histamínico diariamente, como prevenção. Não tomava. Evitava até ao limite do (in)suportável. Vivi durante a maior parte da minha vida com uma ‘moinha’ na cabeça. Estava de tal forma habituada que só percebi que esta era altamente limitadora quando desapareceu.

Tudo parece estúpido quando falha mas falhar faz parte do processo. 5 ideias para decidir o que fazer da vida.

Tudo parece estúpido quando falha mas falhar faz parte do processo. 5 ideias para decidir o que fazer da vida.

A ideia de emprego morreu e ninguém a avisou . Talvez por isso continue presente na mente de muitas pessoas. Já não há empregos para a vida porque simplesmente a ideia de emprego é contrária à da realização pessoal, intelectual e espiritual e muitos de nós não querem continuar a separar esta tríade da mind, body and soul, ou seja, o nossos sentido da vida passa mais por aquilo que queremos ser, enquanto pessoas, do que o emprego que nos possa definir enquanto tal.

BookCast #9: uma espécie de BookFlix

BookCast #9: uma espécie de BookFlix

Duas mulheres com vida preenchidas e agendas cheias sentam-se, uma vez por mês para falar sobre os livros que leram, estão a ler ou planeiam ler. Regressam depois das férias para compilar ideias e apresentar novidades. Uma devora romances, outra vai pelo pragmatismo de uma espécie de auto-ajuda moderna à qual junta ensaios que lhe ensinam coisas sobre as quais pode, também sonhar. Românticas e sonhadoras, divertem-se no closet da Helena usando o microfone da Paula enquanto tiram fotografias desta aventura sonora para partilharem no Instagram. Querem ouvir?

Uma comédia chamada Portugal

Uma comédia chamada Portugal

Nas últimas semanas - meses, aliás, anos, talvez - sucederam-se episódios que garantem espólio para comediantes, tema para cronistas e muita actualidade para a comunicação social. Em nenhum dos casos nos preocupamos com a verdadeira raiz do problema - problemas - porque os temas são bastante variados: homofobia, falta de noção, machismo e preconceito.